A Fera na Selva.

A estréia do diretor Fernando Coimbra em longa metragem não poderia ser mais promissora. Este impressionante “O Lobo Atrás da Porta” é um dos grandes filmes brasileiros dos últimos tempos. Baseado em um fato da crônica policial carioca ocorrido nos anos 60 do século passado, é um estudo sobre as normas que reprimem a fera que trazemos em nosso interior. Atualizado para os dias de hoje ele narra os fatos responsáveis por um crime que chocou o país.
O cenário é o subúrbio carioca, com suas casas antigas e mal conservadas, onde um grupo social ainda consegue manter-se distante da criminalidade e aspira a ascensão econômica. O envolvimento de um fiscal de linha de uma companhia de ônibus com uma jovem é mostrado de duas maneiras. Primeiro, durante um depoimento a polícia, depois sob a pressão de um interrogatório dirigido por um delegado que não poderia ser mais verdadeiro em sua sinceridade rude e sua visão desapaixonada da vida.
Fernando Coimbra pontua sua narrativa de um tom despojado, utilizando uma fotografia de cores desbotadas, que reforça o abandono ao qual estão relegadas aquelas criaturas. A família da jovem parece saída de uma peça ou conto de Nelson Rodrigues. A figura paterna, prostrada frente ao aparelho de televisão, alheio a tudo o que se passa ao seu redor desenha a personalidade da filha, que vê no relaciaonamento com o homem casado uma maneira de livrar-se daquele universo. Seu amante já não sente desejo pela esposa e a vida dos dois se resume ao amor que nutrem pela filha. As tentativas que a amante faz de aproximar-se da esposa e da menina, revelam antes de tudo o abandono em que se encontra, como se as mentiras as quais lança mão a fizessem integrar-se aquele lar, unindo-o outra vez no desejo que desperto no cônjuge rejeitado. É neste momento que explode a violência, e as feras que habitam os amantes dominam o cenário, levando a trama a um desfecho dramático.

20140623-215718-79038170.jpg

São muitos os momentos dignos de menção mas nenhum deles é mais significativo que o movimento de câmera que nos aproxima do abismo ao qual a jovem contempla. Naquele momento, a dimensão do que virá fica estabelecida e a voragem que se estabelece é assustadora. O diretor não necessita de lances melodramáticos ou de palavras de ordem para aprofundar seus personagens. A realidade e o cenário bastam, aliados ao uso da trilha sonora que reforça a tensão da narrativa. Os atores estão todos exelentes, o que salienta mais uma das qualidades de Coimbra como cineasta.
Os derradeiros instantes do filme, quando tudo é explicado e escutamos o depoimento lido pelo delegado, estão entre os grandes momentos do cinema brasileiro nos últimos anos. “O Lobo Atrás da Porta” nos apresenta um artista seguro e que surge como um nome de peso, seguindo a trilha de um cinema voltado para o realismo de cena, baseado em personagens de carne e osso e que parte do cotidiano para refletir sobre seu mundo e sobre as criaturas que o habitam.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s